CELEBRAR A MISERICORDIA

A partir da bula papal Misericordiae Vultus refletir sobre a dinâmica, vivencia e ação celebrativa do ano jubilar da misericórdia.

 

ano santo
2016 – ANO DA MISERICÓRDIA

O jubileu da Misericórdia necessita antes de mais nada ser celebrado… assim será mais eficazmente vivido e testemunhado como reflexo da misericórdia do Senhor.

Com esse espírito universal através da bula papal Misericordiae Vultus (MV), desde 8 de dezembro de 2015 (inicio solene do Ano Santo) uma sequencia de atividades estão sendo simultaneamente executadas em Roma e nas Igrejas particulares como sinal visível da comunhão de toda a Igreja (MV n.3) terrestre e celeste.

Por isso cada diocese, cada Igreja particular, cada comunidade (pastoral, grupo, movimento) e cada cristão faça o que estiver ao seu alcance para que, sobretudo liturgicamente, o Jubileu seja vivido como um “momento extraordinário de graça e de renovação espiritual” (MV n.3), mas, para que isso seja possível deve haver maior empenho na promoção e realização de celebrações com propriedade, simplicidade e beleza de acordo com os tempos litúrgicos do Ano C.



As “24 horas para o Senhor” (a ser celebrada no Vaticano iniciando na sexta-feira e terminando no sábado anteriores ao IV domingo da quaresma) (MV n.17), é uma iniciativa que pode ser incrementada pelas diceses em resposta ao apelo do Sumo Pontífice para que especialmente neste Ano jubilar os fiés se reunam para rezar juntos nas comunidades.

A sugestão pode ser vivenciada na data proposta ou em outra e nas atividades pode-se contemplar; a oração da liturgia das horas, o terço da misericórdia, a adoração ao Santíssimo Sacramento, o atendimento dos fieis que buscam o sacramento da reconciliação, a leitura e meditação da palavra com o método da Léctio Divina e a participação na celebração da Eucaristia.

Não há um roteiro pronto para tal finalidade, porém, vários subsídios litúrgicos trazem indicações para que as comunidades preparem este e outros momentos, neles (os subsídios) encontramos luzes, sugestões e esclarecimentos; que fomentem o propósito intimo de cada um(a) em mergulhar e vivenciar momentos de intensa oração com os diversos elementos propostos para o Ano Santo, assim, juntamente com as peregrinações às portas santas da misericórdia, celebrações do ano litúrgico, obras espirituais e corporais (MV n.15).

As 24 horas para o Senhor acrescenta-se como um momento salutar neste itinerário que pretende conduzir a todos(as) para experimentar e viver o grande amor de Deus, abrindo o coração aqueles que vivem nas periferias existenciais e se tornando “Misericordiosos como o Pai” (Lc como6,36).

Por: Diac. Carlos Magno Ericeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *